O primeiro

Postado às 12:49 do dia 04/09/13

Já passei por algumas oficinas literárias. Escritores desta época, que as conduzem, têm nomes comuns.

É assim que, entre eles, compareceram dois Joões, o Carrascoza e o de Castro Rocha. Também houve dois Josés, olhe só: o Castello e o Torero. Estive com um Luiz, o Ruffato, e um Sérgio, o Vilas-Boas.

Mas nunca tinha tido, por professor, um nome tão singular quanto Thelonius.

Sim, isso mesmo; não surtei: Thelonius Monk, o pianista, abriu três dias de oficina com sua música.

Colocaram um show seu, gravado em DVD, para tocar na sala, e o convite foi pra que aprendêssemos escrever com ritmo, harmonia, melodia e cadência.

Enquanto conversávamos sobre nossas crônicas, o piano continuava baixinho, não atrapalhava. Antes, era um charme. Numa sincronia misteriosa, que só ocorre em oficinas de escrita criativa, coincidia o momento em que Thelonius saía do piano e um de nós lia o próprio texto. Parecia que parava só pra nós.

Foi, de longe, o laboratório de escrita mais criativo de que participei.

Ao final, posamos para a foto, alunos e maestro agrupados. Ah, não te falei?!

O jazz se faz de improvisos, mas uma oficina requer um escritor experiente:

De nome comum, como os demais, o mestre Antônio Torres sorria para a câmera ao nosso lado.

Foi meu primeiro Antônio. E o primeiro a gente nunca esquece.

escrito por Mayra Corrêa e Castro ® 2013

para a Oficina de Crônicas com Antônio Torres

Agosto de 2013 – Biblioteca Pública do Paraná – Curitiba/PR

Posts Relacionados

Comentários

Galeria de Fotos do Pinterest

Assinar Newsletter