Casa Máy > As Melhores Partes - Posts > autoras > Medo e submissão – Amélie Nothomb

< voltar

Medo e submissão – Amélie Nothomb

Postado às 19:07 do dia 17/02/13

Aqui está um livro escrito originalmente em francês que você deve ler. Neste Brazil, dominado pelos best sellers de língua inglesa, é puro frescor ler gente de fora do mundinho New York-London. Amélie Nothomb (1967), escritora de origem belga, nascida no Japão quando seu pai foi embaixador por lá, coleciona títulos populares no mundo francófono. Ela vai a talk shows, já ganhou prêmios, seus livros já viraram filmes, inclusive este Medo e Submissão (1999), que é baseado em fatos autobiográficos. Uma história de humor chocante, que joga farpas para todos os lados ao falar dos preconceitos que alimentamos contra tudo que é diferente.

A personagem principal, Amélie, resolve, depois de adulta, voltar ao Japão, país onde nasceu. Como fala fluentemente japonês, é contratada para trabalhar no departamento de contabilidade numa das maiores multinacionais do país. O contrato é de um ano. Ela fica sob a supervisão de uma das cinco mulheres que trabalham na companhia, uma japonesa linda, porém solteira. Mas a hierarquia na corporação japonesa é severa, e logo o chefe de sua chefe manda nela também. Atente para o verbo: manda; não é pedir, é mandar. Então ela inicia suas atividades profissionais redigindo uma carta para seu chefe. Mas parece que todos na companhia estão determinados a provar que o cérebro de uma ocidental nunca estará apto a desempenhar tarefas que, para mentes nipônicas, são triviais. É assim que Amélie vai descendo de função dentro da multinacional, passando de redatora de cartas a copeira, de copeira a entregadora de correspondências, a operadora de máquina de calcular e a servente de limpeza nos banheiros. Até que finalmente seu contrato acaba, ela se muda do Japão, e se torna a escritora de sucesso que é hoje. (Seu livro de estreia não foi Medo e Submissão, mas este foi o que lhe trouxe atenção da crítica e mídia.)

O que cativa na história é um tom doce e terno que permeia as críticas mais ácidas ao duro sistema hierárquico das corporações japonesas. Amélie viveu no Japão até os cinco anos de idade. E apesar de ser a única menina “branca em todas as partes” na sua escola, as memórias da infância não perderam o fascínio que ela sentia por aquela cultura que não era totalmente sua, tampouco lhe era estrangeira.

Há várias maneiras de ler Medo e Submissão, um livro verdadeiramente primoroso. Aliás, cabe dizer que o título vem do sentimento que um súdito deveria expressar quando se dirigisse ao imperador (em francês, Stupeur et Tremblements; Temor e Tremor numa edição brasileira antiga). A primeira camada, bastante óbvia, é olhar para o choque entre culturas. Com um pai embaixador, Amélie desde cedo estava ciente de que seu comportamento poderia pôr em risco as relações entre Bélgica e Japão. Então ela decide se comportar à japonesa, mas fica patente que, embora possamos ser bilíngues, nunca falamos duas línguas ao mesmo tempo – ou estamos usando o sistema de uma, ou de outra. A incomunicabilidade entre Ocidente e Oriente é a ironia por trás de uma história estruturada a partir de uma personagem bilíngue trabalhando numa empresa que tem negócios com todos os países do mundo.

Já a segunda camada, também evidente, é a denúncia contra o machismo da sociedade japonesa. A chefe imediata de Amélie, embora tenha tido a oportunidade de ser independente financeiramente, precisa de um marido para ser bem aceita por todos. Tiranizada por uma cultura que relega às mulheres papel constrangedor, ela constrange a própria Amélie, numa impossibilidade de formar parcerias longe do círculo onde mulheres tendem a ser apoiar, a saber, dentro do lar.

Mas eu também gosto de ler o livro de um ponto de vista bem jocoso: um manual de como sobreviver  em intercâmbios. O que sustenta Amélie durante a canhestra estadia no Japão é um sutil sentimento de orgulho: ela percebe o quanto não faz sentido as imposições humilhantes de seus chefes, e essa consciência a coloca num patamar superior. Aliás, a ideia é bem explorada nas vezes em que a personagem se imagina defenestrando do alto do 44º andar da companhia em direção a uma Tóquio que só existia em seu coração. No fim, orgulho – o mais íntimo e inabalável – é o mote por trás da crueldade do algoz, e da coragem da vítima, e também de como podemos achar o máximo deixar de ser engenheiro no Brasil para virar soldador de fábrica no Japão.

Abaixo selecionei alguns trechos preciosos, mas o livro merece uma, duas, quantas lidas puder.

 

 

Hierarquia

“O Sr. Haneda era o superior do Sr. Omochi, que era o superior do Sr. Saito, que era o superior da Srta. Mori, que era minha superiora. E eu não era superior de ninguém.” (p. 5)

– Acredito que a primeira frase do romance o define à perfeição: é preciso se colocar em patamar superior; se não for possível nos mesmos termos, em outros, como eu assinalei na questão do orgulho.

 

 

Beleza japonesa

“Dois metros à minha frente, o espetáculo de seu rosto era cativante. Suas pálpebras abaixadas para os números impediam-na de ver que eu a observava. Tinha ela o mais belo nariz do mundo, o nariz japonês, esse nariz inimitável, de narinas delicadas e reconhecíveis entre mil outras. Nem todos os japoneses têm esse nariz, mas quem o tem só pode ser de origem nipônica. Se Cleópatra tivesse este nariz, a geografia do planeta teria sido outra.” (p. 11)

– É frequente o encantamento de Amélie pela beleza da japonesa que é sua chefe. Enquanto, no Ocidente, a chefe teria filas de pretendentes, no Japão ela não conseguia casar, simplesmente porque trabalhava fora e já tinha passado dos 25 anos.

“Nem todas as japonesas são belas. Mas quando uma delas resolve ser bela, as outras que se cuidem.

Toda beleza é comovente, mas a beleza japonesa o é ainda mais. Primeiro porque aquela pele de lírio, aqueles olhos suaves, aquele nariz inimitável, aqueles lábios de contornos tão trabalhados, aquela doçura complicada dos traços já eclipsam por si só os rostos mais bem apanhados.

Depois, porque suas maneiras a estilizam, fazendo dela uma obra de arte inacessível à compreensão.” (p. 70)

– A comoção que Amélie sente diante de sua chefe é por reconhecer que, se uma japonesa é bela, ela é tanto mais espartana. Leia o trecho abaixo em que Amélie descreve como uma japonesa deve fazer xixi sem barulho. Ele é exemplar para mostrar que o belo deve ser desprovido de sexualidade:

“Eu jamais seria capaz de enumerar todos os teus deveres, pois não há um minuto de tua vida que não seja comandado por um deles. Por exemplo, mesmo quando estiveres isolada no banheiro para a humilde necessidade de aliviar tua bexiga, terás a obrigação de cuidar para que ninguém venha a ouvir a musiquinha de teu riacho: terás portanto de puxar a válvula de descarga sem descanso.” (p. 72)

– E a exaltação da beleza ideal continua nesse diálogo:

“ – Será que esses brancos não percebem que cheiram a cadáver?

– Se conseguíssemos fazê-los entender que fedem, finalmente teríamos no Ocidente um mercado fabuloso para desodorantes eficazes!

– Talvez pudéssemos ajudá-los a cheirar menos mal, mas não poderíamos impedi-los de suar. É da raça.

– Nesses países, até as mulheres belas transpiram.” (p. 85)

– E também fazem cocô, peidam, arrotam, vomitam, babam e espremem espinhas em público.

 

 

Japão no século XX

“O dinheiro, na Yumimoto, superava o entendimento humano. A partir de uma certa acumulação de zeros, os montantes deixavam o terreno dos números para entrar no da arte abstrata. Eu me perguntava se haveria em toda a companhia uma criatura capaz de felicitar-se por ter ganhado cem milhões de ienes, ou de lamentar a perda de uma quantia equivalente.” (p. 12)

– As pessoas se tornam insensíveis, com o tempo, de trabalhar com grandes somas. É o que sempre penso quando entro numa loja cara onde a vendedora, que ganha fixo + comissão e vai de ônibus pro trabalho, olha nos meus olhos e diz que é uma pechincha a calça jeans custar apenas mil reais. Pechincha pra quem, cara pálida? Dê mais valor ao seu dinheiro, guria!

 

 

Japão: modo de usar

“ – A senhora afrontou seriamente a delegação da firma amiga! Serviu café com fórmulas que davam a entender que falava o japonês à perfeição!” (p. 15)

– Um dos melhores momentos do livros, quando Amélie pensa que está abafando por servir o café com todo o protocolo adequado.

“Eu estava na companhia há apenas um mês, tendo assinado um contrato de um ano. Dar as costas com tão pouco tempo me teria coberto de vergonha, aos olhos deles e aos meus.” (p. 17)

– Outra coisa que não se faz quando seu chefe é japonês: ir embora antes dele.

“Roubar o trabalho de alguém é uma má ação – disse-me, com razão, o Sr. Saito.” (p. 22)

– Imagine-se trabalhando numa empresa brasileira. Agora trace a estratégia para crescer na empresa. Alguma boa ação?

“Cale-se. Este pragmatismo odioso é digno de um ocidental.” (p. 36)

– Não é incrível que o Japão tenha inventado, na administração, o Kaizen e o Just in Time?!

 

 

revisto por Mayra Corrêa e Castro ® 2013

 

NOTHOMB, Amélie. Medo e submissão. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2001.

(O livro não é mais comercializado, mas você pode comprá-lo dos sebos da Estante Virtual.)

 

Comentários

Galeria de Fotos do Pinterest

Assinar Newsletter