Casa Máy > Diário em Off - Posts > ecologia > Ô, terráqueo, apenas não os comer, não é suficiente.

< voltar

Ô, terráqueo, apenas não os comer, não é suficiente.

Postado às 02:29 do dia 29/01/08

Dias desses, com uma amiga amantíssima, discutíamos sobre direitos dos animais e, porque eu não tenho um bichinho de estimação em casa, ela me disse que, afinal, eu não era uma protetora deles. Minha reação imediata foi lhe dizer:

– Epa, péra aí, é claro que sou protetora, eu não os como!

Minha amiga riu e encontrou então um novo termo para definir gente que nem eu, que é vegetariana, mas não se engaja de outra forma na luta em prol dos animais.

Ainda fiquei matutando sobre esta nossa conversa e pensando o que eu poderia dizer dos zilhões de pessoas que têm animais de estimação em casa e comem carne… Bem, deixa pra lá. Deletei o assunto e fui fazer minhas coisas do dia-a-dia.

Na vida, não existem coincidências, apenas sincronias. Da única leitura que fiz de Paulo Coelho em minha vida, gravou-se em minha memória esta frase, que resume o tão alardeado Segredo: “Quando você quer, o universo conspira.”

Embora eu tenha deletado aquela conversa sobre proteção dos direitos dos animais, certamente o universo a captou – e como eu não a concluí, o danado deu um jeito de me fazer tropeçar com ela de novo. O ditado é que “quando você precisa, o karma conspira.”

A conspiração veio de um encontro, desta vez com outra amiga, uma nutricionista vegana com quem eu estava fechando parcerias para meu estúdio de yoga. Por estas razões de internet e Orkut, eu conversava com ela, ao vivo e pela primeira vez, como se fosse uma velha conhecida e ela me falava das formas de vegetarianismo que não pratico, como o veganismo, o crudivorismo e a alimentação viva. Eu a ouvia e era como se estivesse ouvindo falar pela primeira vez de um universo paralelo, eu que já me sentia tão à margem do comum por não comer carne…

Esta nutricionista realiza um trabalho voluntário na seção Curitiba da Sociedade Vegetariana Brasileira. Resolvi fuçar mais a fundo este assunto e me inscrevi no Yahoo-Group da SVB-Curitiba. Aí, choveu email, choveram conspirações. Para minha surpresa, ninguém na lista falava sobre a alimentação vegetariana em si, mas falava sobre proibição de aluguel de cãos de guarda, arrecadação de ração para abrigo de cães e gatos, sobre co-habitação de chupins em ninhos de joões-de-barros e, enfim, sobre o link do filme Terráqueos.

Eu já tinha ouvido falar sobre este filme, sobretudo que é forte, mas não tinha ainda me aventurado a assisti-lo porque tenho o estômago fraco e não consigo sequer ver Silêncio dos Inocentes inteiro. Mas guardei o link na minha caixa de email, porque sempre pinta um aluno ou outro querendo referências sobre vegetarianismo e este é um filme tão comentado que certamente poderia indicá-lo.

Vê como são as coisas? Deixei de novo o assunto pra lá, o tal do direito dos animais…

Mas o universo é incansável e me fez tropeçar nele de novo. Escute só:

No dia seguinte, aquela mesma amiga minha, a amantíssima, me enviou um link pra um destes abaixo-assinados eletrônicos apoiando uma lei que visava proibir, em Curitiba, o aluguel de cães de guarda. Como eu nunca tinha parado para refletir sobre o assunto, candidamente fiz minha lição de casa e perguntei a ela – defensora da lei – por quê sim?

Ah, foi o que bastou. Ela me listou uma penca de situações pelas quais os cães de aluguel passam. Nem tinha terminado de ler todas e resolvi que à noite eu assistiria ao Terráqueos.

Era domingo à tarde, meus meninos brincavam com o pai na sala de TV. Eu enfiei os fones de ouvido, liguei o micro e comecei a ver o filme. Não sei quanto tempo levou, mas pareceu infindável a sucessão de crueldades que a humaninade impinge aos animais – pelo que dependemos deles para alimentação, companhia, vestuário, entretenimento e pesquisa científica.

Fechei os olhos para algumas cenas, mas me forcei a ver todas as gargantas cortadas, de todas as vacas, e de todos os frangos – para nunca mais esquecê-las. Vi cada choque tomado por um bichinho preso em gaiola, cada mordida que os porcos infligiam uns aos outros canibalizando-se, vi cada espancamento em elefantes de circo e também assisti, para minha comoção maior, o esquema da produção do couro naquela que deveria ser a nação Gopala, a Índia, berço do yoga, que é, segundo o filme, a maior fornecedora de couro do mundo. Estarrecedor.

Por isso o tom sério deste post. Não há como ser indiferente aos direitos dos animais depois de assistir aos Terráqueos. Ou há, até que a Terra peça sua conta. A Terra não conspira – não, pelo menos, da maneira como conspiramos nós. A Terra apenas reage.

Assista ao filme. Proteja os animais. Tente comer menos carne. Não coma nenhuma. Torne-se vegetariano. Ou, pelo menos, aproxime-de de algum que conheça e olhe para suas razões sem preconceitos. Grandes gênios da atualidade e de outros tempos foram / são vegetarianos. Não deve ter sido à toa. Afinal, por que um gênio – se é tão inteligente – colocaria em risco sua saúde, afetando assim sua genialidade – deixando de comer carne?!

A segunda amiga desta história, a nutricionista, definiu muito bem o alarmante apelo de Terráqueos:

“Em algum momento de seu desenvolvimento, o homo sapiens pode ter tido um salto por começar a ingerir mais proteína vinda da carne. Mas agora, para a sua sobrevivência no planeta Terra, comê-la é que o coloca em risco de extinção.”

Obrigada, Alê e Natália, por terem conspirado junto com o universo por mais esta tomada de consciência. Um abraço querido às duas.

Mayra C. Castro

VEJA O FILME TERRÁQUEOS.

Veja a ficha do filme no IMDb.

terraqueos

Posts Relacionados

Comentários

Galeria de Fotos do Pinterest

Assinar Newsletter