Casa Máy > As Melhores Partes - Posts > autoras > HP e a Ordem da Fênix – J. K. Rowling

< voltar

HP e a Ordem da Fênix – J. K. Rowling

Postado às 19:30 do dia 08/01/18

Um catatau com 702 páginas que rendeu, na minha opinião, o filme com as maiores modificações em relação ao texto do livro. Eis Harry Potter e a Ordem da Fênix, o quinto volume da série escrita pela genial JK Rowling.

HP e a Ordem da Fênix

A Ordem da Fênix talvez seja o mais difícil de ler: ele é imenso, é arrastado, as coisas demoram a acontecer e Harry sofre, coitado, como sofre. É neste volume que aparece a mais odienta personagem feminina de toda a série, Dolores Umbridge. Tudo que amamos na McGonagall, odiamos em Umbridge. Também surge Belatriz Lestrange, ainda que en passant (teremos chance de odiá-la no HP e o Enigma do Príncipe e também em HP e as Relíquias da Morte).

Pessoalmente, gosto de pensar que JK escreveu o volume dando vazão a toda sua frustração política (se você a acompanha no Twitter, deve saber do que estou falando), pois …A Ordem da Fênix denuncia muito do que corrompe nossa sociedade: políticos que se preocupam apenas em se manter no poder, famílias ricas que controlam e manipulam as instituições, o jornalismo a serviço de ambos políticos e ricos, o uso da educação formal pra perpetuar a divisão de classes, leis trabalhistas que não protegem ninguém, corrupção no âmago da Justiça, preconceitos diversos.

Sem sombra de dúvida, é o volume mais engajado de toda a série. Claro que você pode lê-lo passando por cima disso e se fixar apenas nas aventuras e desventuras de um Potter incompreendido e que começa descobrir as agruras de gostar de meninas. Claro que você pode se fixar no prazer de descobrir como funciona a vida doméstica bruxa, pois a sede no Largo Grimmault oferece uma visão privilegiada disso, junto com A Toca. Mas o livro passa muito mais mensagens que estas.

E antes de eu passar finalmente às citações, uma nota: como li o livro pela primeira vez há 15 anos, voltei a ele com a esperança de (re)ler meu diálogo favorito de toda a saga Harry Potter. Não achei, o que foi fonte de frustração (só um pouquinho, de toda forma): é o momento em que Sirius conversa com Harry sobre todos termos luz e sombra dentro da gente. No livro, este diálogo não existe. Existe uma conversa no mesmo cômodo onde vemos a árvore genealógica da família Black, mas as palavras exatas, não. O que me faz perceber que o universo potterhead é indissociável dos filmes, e de que, ainda que JK não tenha escrito o roteiro dos livros, esteve sempre lá, como uma presença inspiradora.

Agora, às citações. Espero que curta.

 

Como xingar em bruxês

   “Aqui, seu monte inútil de bosta de morcego, aqui! – gritou ela [Sra. Figg]. – Dementadores atacando o garoto no seu turno de serviço!” (p. 24)

– Você, que está cansando de há anos usar os mesmos (pejorativos) adjetivos pra xingar, renove seu vocabulário tomando lições com Sra. Figg.

” (…) – Eles não param de incluir comentários irônicos sobre você. Se aparece uma história mirabolante, escrevem mais ou menos assim: ‘Uma história digna de Harry Potter’, e se alguém tem um acidente estranho ou coisa parecida dizem: ‘Vamos fazer votos para que ele não fique com uma cicatriz na testa ou vão nos pedir para venerá-lo’…” (p. 65)

– Veja que é realmente um privilégio ter o próprio nome tornado adjetivo. Digamos que um dia você queira xingar alguém de lelé da cuca e esta pessoa tem 30 anos e por isso, obviamente, não sabe o que significa lelé da cuca. Você pode dizer que ela tá muito Harry Potter e deverá bastar pro entendimento.

” –  E aquela completa vaca da Pansy Parkinson – disse Hermione com ferocidade. – Como foi que chegou à monitora, sendo mais obtusa que um trasgo lesado…” (p. 157-158)

– Séculos de domínio britânico na Índia realmente não lhes ensinaram nada sobre o valor destes mamíferos que são as vacas. E, repare, não é porque existe sororidade que você nunca poderá chamar uma Pansy Parkinson de trasgo lesado…

 

A última gota no copo de cerveja amanteigada

” – ENTÃO VOCÊS NÃO TÊM PARTICIPADO DAS REUNIÕES [da Ordem da Fênix], GRANDE COISA! ESTIVERAM AQUI O TEMPO TODO, NÃO FOI? ESTIVERAM JUNTOS O TEMPO TODO! AGORA, EU, FIQUEI ENCALHADO NA RUA DOS ALFENEIROS O MÊS INTEIRO! E JÁ RESOLVI MUITO MAIS DO QUE VOCÊS JAMAIS CONSEGUIRAM E DUMBLEDORE SABE DISSO – QUEM SALVOU A PEDRA FILOSOFAL? QUEM SE LIVROU DO RIDDLE? QUEM SALVOU A PELE DE VOCÊS DOS DEMENTADORES?

(…)

– QUEM FOI QUE TEVE DE PASSAR POR DRAGÕES E ESFINGES E OUTRAS COISAS REPUGNANTES NO ANO PASSADO? QUEM VIU ELE VOLTAR? QUEM TEVE DE ESCAPAR DELE? EU!” (p. 58)

– E este pequeno piti de Harry lhe servirá como um aviso pra nunca, nunca, nunca em hipótese alguma irritar a pessoa que faz o trabalho sujo, mesmo que ela tenha recebido (e tenha sido o primeiro a dizer que recebeu) ajuda.

“Harry amarrou a cara e enterrou-a nas mãos. Não podia mentir para si mesmo; se tivesse sabido que o distintivo de monitor estava a caminho, teria esperado que viesse para ele e não para Rony. Será que isto o fazia tão arrogante quanto Draco Malfoy? Será que se achava superior a todos? Será que realmente acreditava que era melhor do que Rony?” (p. 137)

– Dicas de carreira (coach) de Harry Potter: nunca pareça realmente ocupado, nunca pareça realmente assoberbado de missões – ou a promoção não virá pra você. É sempre preferível um funcionário mediano com tempo do que um funcionário excepcional sem tempo nenhum e ainda explodindo com todo mundo.

 

Cada vez mais gagá excêntrico

“- Mas Dumbledore não se importa com o que estão fazendo [tirá-lo da Suprema Corte dos Bruxos], desde que não tirem o seu retrato do baralho de sapos de chocolate – disse Gui rindo.” (p. 82)

– E é óbvio que todos rimos juntos, e porque amamos Dumbledore, e porque queríamos ter um vovô como ele, e porque queríamos estudar em Hogwarts e porque sabemos que ele faz estas piadas apenas por sua grandessíssima vaidade mas quem se importa?

” – Pronto, pronto, Sibila… se acalme… assoe o nariz no lenço… não é tão ruim quanto você está pensando, agora… você não vai precisar sair de Hogwarts…

– Ah, sério, Profª McGonagall? – exclamou Umbridge em tom letal, dando alguns passos à frente. – E a sua autoridade para afirmar isso é…?

– A minha – disse uma voz grave.

As portas de carvalho da entrada tinham se aberto. Os estudantes de ambos os lados se afastaram depressa, e Dumbledore apareceu na entrada.” (p. 485)

– Excêntrico, mas phoda!

 

Homo politicus, homo economicus

” – Sr. Weasley, perguntou Harry, ao passarem por uma janela [no Ministério da Magia] pela qual entrava o sol -, nós não estamos mais embaixo da terra?

– Estamos. As janelas são encantadas. A Manutenção Mágica decide todo o dia qual é o tempo que vai fazer. Tivemos dois meses de furacões, da última vez que estivemos reivindicando um aumento de salário…” (p. 110)

– Cada um faz a manifestação que pode, não é verdade? Por outro lado, veja como seria brilhante janelas encantadas: nunca mais nos preocuparíamos com o serviço de meteorologia não acertar a previsão do tempo.

 

Uma lógica límpida

” – Temos de patrulhar os corredores a intervalos – disse a Harry e Neville -, e podemos castigar os alunos que não estiverem se comportando. Mal posso esperar para apanhar Crabbe e Goyle fazendo alguma coisa…

– Você não pode abusar da sua posição, Rony! – ralhou Hermione.

– Certo, porque o Malfoy não vai abusar nem um pouquinho da dele – respondeu Rony com sarcasmo.

– Então você vai se rebaixar ao nível dele?

– Não, só vou garantir que apanho os amigos dele antes que ele apanhe os meus.” (p. 158)

– Eis a lógica cristalina de uma personalidade com poucos recalques.

” – E como seria – perguntou ela [Hermione] friamente, quando os três saíram da sala para o intervalo (Binns desaparecia através do quadro-negro) – se este ano eu me recusasse a emprestar as minhas anotações a vocês?

– Não passaríamos no N.O.M. Se você quiser ter isso pesando na sua consciência, Mione…

– Ora, seria bem merecido. Vocês nem ao menos tentam escutar o que ele diz, tenta?

– Tentamos – disse Rony. – Só que não temos o seu cérebro nem a sua memória nem a sua concentração… você é simplesmente mais inteligente do que nós… você acha bonito esfregar isso na cara da gente?” (p. 192)

– Sempre achei perfeita a solução de JK de juntar estes dois aí. Rony não tem nenhuma expectativa em relação a si, Hermione tem todas. É simplesmente irresistível a uma mulher como Mione um cara tão pé no chão quando Rony.

” – Então a melhor nota é ‘O’ de ‘Ótimo’ – ia dizendo -, depois tem o ‘A’.

– Não, o ‘E’ – Jorge a corrigiu. – ‘E’ de ‘Excede Expectativas’. Sempre achei que Fred e eu devíamos ter recebido ‘E’ em tudo, porque excedemos a expectativas só de comparecer para prestar os exames.” (p. 259)

– Esta limpidez deve ser genética.

” – É uma ideia.

– O que é uma ideia? – perguntou Harry.

– Você. Nos ensinar.

– Mas…

Harry estava sorrindo agora, certo de que os dois estavam gozando com a cara dele.

– Mas eu não sou professor, não sei…

– Harry, você foi o melhor do ano em Defesa Contra as Artes das Trevas – disse Hermione.

– Eu? – Harry agora estava com um sorriso maior que nunca. – Não, não fui, você me bateu em todos os testes…

– Não é verdade – respondeu Hermione calmamente. – Você me bateu no terceiro ano: o único em que nós dois prestamos exames e tivemos um professor que realmente conhecia o assunto. E não estou falando de nota, Harry. Pense no que você já fez!

– Como assim?

– Sabe de uma coisa, não tenho certeza se quero alguém burro assim como professor – disse Rony a Hermione. com um sorriso afetado. Em seguida virou-se para Harry.” (p. 271-272)

– Ah, a dócil e meiga camaradagem masculina, cheia de mesuras com as palavras.

“- No ano passado, todos os indícios mostravam que alguém dentro de Hogwarts estava tentando matar você, Harry! – disse Sirius impaciente. – Este ano, sabemos que tem alguém de fora de Hogwarts que gostaria de matar todos nós, por isso acho que aprender a se defender corretamente é uma excelente ideia!” (p. 307)

– Como não havia nenhum Weasley amigo de Potter e Black na época em que eram estudantes?! Eles têm a mesma lógica!

” – Sabe o que essas moedas me lembram?

– Não, o quê?

– As cicatrizes dos Comensais da Morte. Voldemort toca em uma elas e todas ardem, e seus seguidores sabem que devem se reunir a ele.

– Bom… é – disse Hermione em voz baixa -, foi de onde copiei a ideia… mas você vai notar que decidi gravar a data em metal em vez de gravá-la na pele de nossos colegas.

– É… prefiro do seu jeito – disse Harry, sorrindo ao enfiar a moeda no bolso. – Imagino que o único perigo é que a gente possa gastar a moeda sem querer.

– Não tem a menor chance – disse Rony, que estava examinando o seu galeão falso com tristeza -, não tenho um galeão verdadeiro para confundir com este.” (p. 329)

– Você sabe pensar claramente quando não lhe dão alternativas.

” – Que é que ela [Hermione] vê no Krum? – pergunrou Rony, quando ele e Harry subiam a escada do dormitório dos meninos.

– Bom – disse Harry, considerando a pergunta. – Acho que ele é mais velho, não é… e é um jogador internacional de quadribol…

– É, tirando isso – disse Rony, em tom irritado. – Quero dizer, ele é um babaca rabugento, não é?” (p. 378-379)

– Nenhuma lógica sobrevive a uma boa dor de cotovelo.

“Bruxos e bruxas de vestes verde-claras iam e vinham pelas filas fazendo perguntas e anotações em pranchetas como a da Umbridge. Harry reparou que usavam um emblema bordado no peito: uma varinha e um osso cruzados.

– Eles são médicos? – perguntou a Rony, com ar de espanto.

– Médicos? Aqueles trouxas doidos que cortam o corpo das pessoas? Nam, são Curandeiros.” (p. 396)

– Preciso comentar esta lógica ou você consegue perceber sua beleza?

” – Se alguém tiver vontade de comprar um Pântano Portátil, conforme demonstramos lá em cima, pode nos procurar no beco Diagonal, número noventa e três: Gemilalidades Weasley – disse em voz alta. – Nossas novas instalações.

– Descontos especiais para os alunos de Hogwarts que jurarem que vão usar os nossos produtos para se livrar dessa morcega velha – acrescentou Jorge, apontando para a Profª Umbridge.” (p. 546)

– Pensei em colocar este trecho lá no “Como xingar em bruxês”, mas me pareceu tão sensata a política de descontos das Gemialidades Weasley que tive que colocar aqui, no “Uma lógica límpida”. Imagino que concorde comigo.

 

Uma lógica tenaz

“Hermione olhava Rony com uma estranha expressão no rosto.

– Ah, me dá isso aqui – disse de repente.

– Quê? – perguntou Rony.

– Me dá esses deveres, vou dar uma lida e corrigi-los.

– Você está falando sério? Ah, Hermione, você é uma salvação – disse Rony -, que é que eu…

– O que vocês podem dizer é o seguinte: Prometemos que nunca mais deixaremos os deveres para a última hora – disse ela, estendendo as duas mãos para receber os trabalhos dos garotos, mas, ainda assim, tinha o ar de quem estava achando uma certa graça.” (p. 249)

– O mais bacana em Hermione é sua tenacidade, inclusive com causas impossíveis e perdidas.

” – Bom, isso faz sentido. Afinal de contas, Cornélio Fudge tem um exército particular.

– Quê? – exclamou Harry, completamente perturbado com a inesperada informação.

– É, ele tem um exército de heliopatas – confirmou ela [Luna], solenemente.

– Não, não tem – retorquiu Hermione com rispidez.

– Tem sim.

(…)

– Me desculpe, mas onde está a prova de que existe? – retorqui Hermione.

– Há muitos depoimentos de testemunhas oculares. Só porque você tem a mentalidade tão tacanha que precisa que se enfie as coisas embaixo do seu nariz…” (p. 286)

– Alguém pra refutar Hermione com o mesmo tipo de lógica tenaz dela? É o que vemos aqui? Óóó!

“- Eu estava pensando – disse [Hermione] com a voz mais forte agora – se estamos fazendo a coisa certa, criando esse grupo de Defesa Cotra as Artes das Trevas.

– Hermione, a ideia foi sua, para começar! – lembrou Rony indignado.

– Eu sei – disse ela, torcendo os dedos. – Mas depois que falar com Snuffles [Sirius]…

– Mas ele é completamente a favor – retorquiu Harry.

– Eu sei – disse Hermione, voltando a contemplar a janela. – Foi isso que me fez pensar que talvez não seja uma boa ideia…” (p. 311)

– Você não pode acusá-la de não ter bom senso.

” – Você não está procurando me matar, Dumbledore? – gritou Voldemort, seus olhos vermelhos apertados e visíveis por cima do escudo. – Está acima de tal brutalidade?

– Ambos sabemos que há outras maneiras de destruir um homem, Tom – disse Dumbledore calmamente, continuando a andar em direção a Voldemort (…).

– Não há nada pior o que a morte, Dumbledore! – rosnou Voldemort.

– Você está muito enganado – disse Dumbledore, ainda avançando para Voldemort (…) – Na verdade, sua incapacidade de compreender que há coisas muito piores que a morte sempre foi sua maior fraqueza…” (p. 659)

– E este então é o ponto que sustenta a opinião de Dumbledore até o final: a falta de amor é a pior coisa do mundo.

” – Não há vergonha no que você está sentindo, Harry – disse a voz de Dumbledore. – Pelo contrário… o fato de ser capaz de sentir dor com tal intensidade é a sua maior força…” (p. 665)

– Convença um adolescente disso.

 

Feminismo em Hogwarts

” – Bom, é uma regra antiquada – disse Hermione [sobre o fato de que as escadas de acesso ao dormitório das meninas virarem escorregadores quando meninos tentam subi-las e as deles não virarem se fosse o contrário], que acabara de escorregar tranquilamente até eles, sentada em um tapete, e agora se levantava – , mas Hogwarts: uma história conta que os fundadores acharam que os meninos mereciam menos confiança do que as meninas. (…)” (p. 292)

– Mas, curiosamente, metade do board dos fundadores de Hogwarts era feminino e metade masculina. Ainda hoje, muito menos da metade das cadeiras em conselhos de empresas são ocupadas por mulheres, e elas são em muito menor número como CEOs em grandes corporações. Além disso, o Quadribol é um esporte com times mistos. Até hoje o futebol divide seleções masculinas e femininas…

“- Você [Hermione] sabe fazer um Feitiço de Proteu? – admirou-se Terêncio Boot.

– Sei.

– Mas isso… isso é nível N.I.E.M. – comentou pouco convencido.

– Ah – respondeu Hermione, tentando parecer modesta. – Ah… bom… é, suponho que seja.

– Como é que você não pertence à Corvinal? perguntou Boot, fixando-a com um olhar próximo ao assombro. – Com uma inteligência dessa?

– Bom, o Chapéu Seletor pensou seriamente em me mandar para Corvinal – contou Hermione animada -, mas acabou se decidindo pela Grifinória. (…)” (p. 329)

– Boot, amoreco, o mulherio é da porra hoje em dia: inteligentes e fortes e corajosas e nobres.

 

Especismo em Hogwarts

“Ele [o centauro Firenze] não lembrava nenhum professor humano que Harry já tivesse tido. Sua prioridade não parecia ser ensinar o que sabia, mas infundir nos alunos a ideia de que nada, nem mesmo o conhecimento dos centauros, era à prova de erro.” (p. 491)

– #ocentauromerepresenta

” (…)  – Monstro é um mentiroso… sujo…merecia…

– Monstro é o que o bruxos fizeram dele, Harry – disse Dumbledore. – Ele merece compaixão. A vida dele tem sido tão infeliz quanto a do seu amigo Dobby.” (p. 672)

” – Sirius não odiava Monstro. Considerava-o um servo indigno de interesse ou atenção. A indiferença e o abandono muitas vezes causam mais danos do que a aversão direta… (…)” (p. 673)

– Esta citação também poderia estar em “Homo politicus, homo economicus”.

 

Certas coisas não mudam

” – O Lorde das Trevas se encontra a uma considerável distância, e as paredes e terrenos de Hogwarts são guardados por muitos feitiços e encantamentos antigos, para garantir a segurança física e mental dos que vivem aqui. O tempo e o espaço contam na magia, Potter. O contato visual é muitas vezes essencial à Legilimência.” (p. 434)

– Pois é, pois é: até a magia precisa se a ver com a terceira dimensão…

“Mas nem os usuários dos kits conseguiam competir com o senhor do caos, Pirraça, que parecia ter levado profundamente a sério a palavras de despedida de Fred [infernizar a Umbridge]. (…) [ele] inundou o segundo andar, arrancando todas as torneiras dos banheiros, deixou cair um saco de tarântulas no meio do Salão Principal durante o café da manhã e, sempre que lhe dava na telha fazer uma pausa, passava horas seguidas flutuando atrás de Umbridge, imitando o ruído de puns com a boca todas as vezes que ela falava.” (p. 550)

– Sai geração, entra geração, e rir com brincadeiras de peidos, puns, arrotos e afins continua imbatível.

 

JK escrevendo como JK

“Harry parou diante da carteira e contemplou o seu pai com quinze anos.

A excitação explodiu no fundo do seu estômago: era como se estivesse olhando para si mesmo, mas com erros intencionais. Os olhos de Tiago eram castanho-esverdeados, seu nariz era mais comprido que o de Harry e não havia cicatriz em sua testa, mas ambos tinham o mesmo rosto magro, a mesma boca, as mesmas sobrancelhas (…)” (p. 520)

– Na próxima vez que disserem como você é parecido com seu pai, ou com sua mãe, comente displicentemente: Sim, mas com erros intencionais.

” – Você sabe o que poderia haver aí dentro? – perguntou Luna ansiosa, quando a parede recomeçou a girar mais uma vez.

– Alguma coisa estridulosa, com certeza – disse Hermione baixinho, e Neville soltou uma risadinha nervosa.” (p. 628)

– Com certeza eu queria é saber qual adjetivo original JK usou, porque estriduloso é uma opção e tanto, que reflete também o trabalho de uma tradutora que é excepcional.

“Segundo Madame Pomfrey, os pensamentos podiam deixar marcas mais profundas do que qualquer outra coisa (…)” (p. 684)

– Você não entenderá a graça desta citação se não souber a que ela se refere. No Depto. de Mistérios, Rony foi atacado por um cérebro que lançou tentáculos em volta de seu corpo, querendo estrangulá-lo. Os tentáculos deixaram marcas em sua pele, que depois foram curadas pela enfermeira de Hogwarts, Madame Pomfrey. Não é demais de genial?!

 

Escrito por Mayra Corrêa e Castro (C) 2018

 

ROWLING, J. K. (Joanne K.). Harry Potter e a Ordem da Fênix. Tradução de Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

 

Posts Relacionados

Comentários

Galeria de Fotos do Pinterest

Assinar Newsletter